Animais misticos


Centauro
Com o torso e a cabeça de um homem sobre o corpo de um cavalo, o centauro combina a natureza instintiva do animal com a raão e a virtude do homem. Na mitologia grega, Quíron, um respeitado mestre, era um centauro. O centauro é também um símbolo cristão do homem dividido entre o bem e o mal.
Dragão Alado
Este dragão estilizado anglo-saxónico figura num escudo. Tem na boca aquilo que parece ser uma pérola - talvez a pérola da imortalidade.
Dragão Basilisco
Normalmente representado como uma espécie de serpente, o basilisco pode também ter as pernas e as asas de um dragão. Na Europa medieval, cria-se que seu bafo e olhar eram fatais. É um símbolo da morte.
Dragão Chinês
Símbolo do Imperador, da energia masculina e da fertilidade, o dragão chinês é um animal benigno e a quinta criatura da zodíaco chinês. Guarda o Oriente e representa o nascer do sol, a Primavera e as chuvas (à chuva torrencial, chamam os Chineses "chuva do dragão"). Há quatro tipos de dragões na mitologia chinesa - dragões do ar, da terra, da água e do espírito. As danças e as corridas de barco do dragão são muito populares na China.
Dragão Viking
Na mitologia Nórdica, o Nidhogg devorava cadáveres e roia incessantemente as raízes do freixo Yggdrasil, a árvore da vida. Nidhogg simboliava o mal.
Esfinge
Símbolo muito popular nascido no Egito e na Babilónia, a esfinge tem normalmente o corpo de um leão e uma cabeça humana. A esfinge grega era um monstro feminino que devorava quem por ela passasse e não soubesse decifrar o seu enigma. Em diferentes culturas, a esfinge simboliza o governante, a sabedoria e o enigmático.
Fênix
A fênix, por vezes conhecida como pássaro de fogo, deixa-se consumir pelo fogo todos os cem anos para mais tarde renascer das cinas. É um símbolo universal da morte pelo fogo, ressurreição, imortalidade e também do sol. É ainda um símbolo da docilidade, pois alimenta-se de orvalho e não faz mal a nenhuma criatura viva. Na China, representa a imperadora e, com o dragão, significa a amizade indestrutível. No México, a fênix acompanhava o grande deus Quetzalcoatl, e, para os primeiros Cristãos, simboliava o Cristo.
Garuda
Montada de Vixnu, Garuda é normalmente representado meio-homem, meio-águia. Muitas vezes tem um corpo de ouro. É uma criatura nobre e distinta que representa o sol e é um pássaro da vida. Surge amiúde, combatendo os seus grandes inimigos, as serpentes.
Grifo
O grifo era um guardião com a cabeça, as asas e as presas de uma águia e o corpo de um leão. Segundo a lenda, era maior que oito leões e mais forte que cem águias. Consagrado a Apolo e Atena, o grifo é um símbolo de vigilância, vingança e sabedoria.
Harpia
Na mitologia grega, a harpia simboliava os aspectos mais negativos e destrutivos da fêmea. As harpias tinham a cabeça e o peito de uma mulher e as asas e as pernas de um abutre. Controlavam os ventos, provocavam tempestades e redemoinhos de água, e eram os agentes de morte súbita.
Hidra
Aparentada à naga de muitas cabeças da Índia, a hidra era uma serpente com nove cabeças, por vezes representada com um corpo semelhante ao do cão. Era um adversário formidável: se lhe cortassem uma cabeça, logo nasciam duas no seu lugar. Na mitologia grega, é morta por Hércules. Simboliza os muitos obstáculos no caminho da virtude.
Hipocampo
Segundo a mitologia grega, o hipocampo é a montada de Posídon, puxando o carro do deus através dos oceanos. Tem o corpo de um peixe e as perna dianteiras de um cavalo, simbolizando assim o mar e a terra. Normalmente conheido como cavalo-marinho, é usado muitas vezes na heráldica para representar uma ação louvável no mar. Nas armas da Cidade de Belfast, simboliza o comércio ultramarino.
Kinnara
Meio-humana e meio-ave ou meio-cavalo, esta criatura, um músico excelente, pertence ao coro celestial que rodeia as principais divindades das crenças indianas. É um símbolo auspicioso, por vezes visivel nas portas dos templos.
Ky-Lin
Este animal fabuloso da China tem geralmente a cabeça de um dragão, a juba de um leão, o corpo de um veado e a cauda de um touro. Diz-se que aparece durante os reinados dos monarcas virtuosos e também para anunciar o nascimento de pessoas ilustres. O Ky-Lin acompanha frequentemente sábios e imortais chineses. É manso e simbolia a amabilidade e a boa vontade, bem como a fertilidade.
Maraka
Na Índia, esta criatura marinha é a montada do deus do mar Varuna e também de Ganga, deusa do rio Gangues. É parte peixe, parte crocodilo ou elefante, e simboliza as águas da criação. Vê-se muitas vezes em conjunção com criaturas solares: um tal duo representa a fertilidade. A makara também simboliza a dualidade bem/mal.
Minotauro
Esta criatura, com a metade superior de um touro vivia no famoso abirinto de Creta. Todos os Anos, devorava sete raparigas e sete rapazes, sorteados para tentarem apaziguar o monstro. O herói Teseu decidiu desafiá-lo e acabar com os instintos mais vis do homem.
Monstro de Loch Ness
Visto pela primeira vez na Idade média, o Monstro de Loch Ness teria mordido mortalmente um nadador em 565 d.C.. O monstro tem sido referenciado inúmeras vezes e já se fieram incontáveis pesquisas. Os ciêntistas têm tentado verificar a consistência das testemunhos. Originalmente um símbolo de perigo, Nessie é agora um monstro benévolo.
Naga
Esta divindade, uma serpente com muitas cabeças, está largamente representada na arte e nas lendas da Índia e do Sudoeste Asiático. Pode surgir com o torso humano e cabeças de serpente ou integralmente animal. As nagas controlam as chuvas e mantêm um conflito constante com Garuda, o pássaro do sol. Esta inimiade reflete, no mito, o equilíbrio real entre o sol e a chuva, ambos essenciais para a fertilidade do solo.
Pégaso
O grande corcel alado do herói grego Belerofonte nasceu do sangue de Medusa e transportou o raio de Zeus. Pégaso simboliza a velocidade e as tempestades. Um cavalo idêntico existia nas lendas medievais - o hipogrifo, símbolo do poder inato e da capacidade para transformar o mal no bem.
Peixe Bispo
Esta curiosa criatura, também denominada bispo mitrato, tem a cabeça calva de um monge e um enorme corpo de peixe. Um destes peixes terá sido pescado no Báltico em 1433 e mostrado ao rei da Polónia. O rei queria ficar com ele, mas desistiu da idéia quando o peixe lhe pediu que o devolvesse ao mar. Quando foi libertado, o peixe bispo manifestou a sua gratidão fazendo o sinal da cruz.
Salamandra
A salamandra é um símbolo do fogo e é normalmente representada respirando fogo ou rodeada por chamas. O seu sangue é tão frio que as chamas não lhe fazem mal. Simboliza a alma virtuosa, capaz de emergir incólume do fogo da tentação.
São Jorge e o Dragão
Os Cristãos equiparam o dragão à serpente, a tentadora de Eva no Jardim do Éden. O dragão também era o mal, uma encarnação dos aspectos mais vis da natureza humana. Matando o dragão, o vencedor supera a heresia e o mal e também os seus próprios desejos primitivos. São Jorge é o patrono da Inglaterra e de todos os soldados.
Sereiras
Ulisses é avisado de que deve ter cuidado com as sereias, cuja vozes têm o poder de seduzir os homens e levá-los a morte. Ordena aos tripulantes que o prendam ao mastro do navio e que tapem os ouvidos com cera, a fim de que sé ele possa ouvir a canção das sereias sem correr riscos. O artista deu a duas sereias uma forma humana e a terceira tem uma cauda de peixe.
Serpente de Duas Cabeças
A serpente de duas cabeças é uma imagem comum nas Américas e está associada à chuva vivificadora. Estava presente nos ritos de Tlaloc, deus asteca das montanhas, da chuva e das nascentes, a quem eram sacrificadas criaças em tempo de seca.
Simurgh
Esta criatura fabulosa da Pérsia, uma mistura de pavão, leão e grifo, surge também nas mitologias russas e caucasiana. Tem poderes mágicos e curativos e simboliza a união dos céus e da terra.
Sleipnir
O mais rápido de todos os garanhões era Sleipnir, o cavalo de oito pernas de Odin, o deus-mago teutônico da guerra. Sleipnir vencia todos os obstáculos e galopava tanto em terras como no mar. Sendo o cavalo de Odin, estava associado ao poder deste deus e tambem simbolizava o vento.
Tritão
Meio homem, meio peixe, Tritão era filho de Neptuno e terá sido um deus dos marinheiros. Mitos posteriores referem uma raça de Tritões.
Unicórnio
O unicórnio é puro e incorruptível. Na china, representa a afabilidade, boa votade, sabedoria e longevidade; no Cristianismo, representa Cristo. Segundo a tradição medieval, o corno do unicórnio era um poderoso antídoto contra os venenos, mas o animal era tão selvagem que nenhum caçador conseguia caça-lo. Só uma virgem era capaz de atrair e amansar o unicórnio.