Haida: a tradição perdida dos índios canadenses

Por Francine Oliveira Publicado em 4 de outubro de 2013

O arquipélago Haida Gwaii, em inglês também conhecidos como Queen Charlotte Islands, está localizado no largo da Colúmbia Britânica, no Canadá. Ali vive a nação Haida, considerada a mais desenvolvida na arte e no artesanato de toda a América do Norte, conhecida por seus belos totens, canoas e habitações enfeitadas com seus tradicionais desenhos, com temas míticos e totêmicos.



Os primeiros e únicos registros em primeira mão da arte da tatuagem entre os haida foi feito por James G. Swan e publicado em 1857, quando as tradições das culturas nativas do noroeste pacífico já estavam gradativamente desaparecendo.

 


Segundo Swan, as tatuagens são feitas com base nos escudos totêmicos/brasões da família e lembram as imagens esculpidas nos totens que podem ser vistos ao redor das casas dos chefes. Nos homens, os desenhos ficam nas costas, logo abaixo do pescoço, no peito, na região frontal das coxas e logo abaixo dos joelhos. Nas mulheres, as tatuagens podiam ser vistas no peito, nos ombros, antebraços, dos cotovelos até os nós dos dedos e nas pernas, dos joelhos até os tornozelos.





Quase todas as mulheres da costa noroeste, de diversas tribos, apresentavam tatuagens, geralmente nas mãos, braços e rosto, mas que consistiam em simples pontos ou linhas, acredita-se, com finalidades medicinais. Entre os haida, contudo, cada desenho era imbuído de significado, indicando o nome da família ou a casta à qual pertenciam (urso, esquilo, águia, lobo, corvo...).





Antes de ser feita a tatuagem, o desenho era cuidadosamente traçado com algum pigmento escuro. A pele era então perfurada e, terminado o desenho, o pigmento era novamente esfregado sobre as feridas, para fixar-se.


Nas modernas tatuagens tribais, os desenhos baseados na arte haida são bastante populares entre norte-americanos, principalmente entre descendentes dos nativos. Sem dúvida, a tatuagem mais famosa é a grande imagem nas costas de Anthony Kiedis, vocalista do Red Hot Chilli Peppers, feita pelo lendário tatuador holandês Henk Schiffmacher, o Hanky Panky. Segundo o próprio Kiedis, que tem ainda reproduções de fotografias de dois chefes nativos em seus braços, o desenho é justamente uma referência a sua descendência, e foi executado na década de 80.


Foto: Tatuagem de Anthony Kiedis, vocalista do Red Hot Chilli Peppers










Fontes: Haida Tattoos; Queen Charlotte Islands, Home to the Haida.


Avalie este post

Dê uma nota de 1 a 5 estrelas

Comentários

Faça um comentário sobre este post